Razao

ESTE BLOGUE COMBATE TUDO O QUE POSSA POR EM CAUSA A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA E A SUA LIBERDADE. É, POR ISSO, ANTICAPITALISTA E ANTICOMUNISTA.

19/01/14

Quem Fala Assim Não É Gago!

O senhor que interveio neste programa da SIC, com 67 anos e com a 4ª classe feita a pé descalço, mostra a muito boa gente em Portugal que a inteligência e o canudo não são a mesma coisa! Uma verdadeira lição que Nuno Melo teve que ouvir e calar. Tomáramos nós muita gente com a 4ª classe, mas com a clarividência e o saber do senhor José Latoeiro! Parabéns!

13/01/14

A Máfia dos Mercados Selvagens e a "Política" Portuguesa (no dia da realização de um congresso do CDS)

Talvez aqui estejam as verdadeiras razões para a entrada da chamada Troika em Portugal! Quando vejo ali na TV o Paulo Portas a falar de demagogia (Congresso do CDS-PP), o meu estômago embrulha-se!



Chama-se Goldman Sachs, e esta "verdadeira casa de apostas mundial", a que chamam banco de investimentos, é uma das entidades, difíceis de identificar, que está por detrás do capitalismo de casino que hoje se vive no mundo. E que faz vítimas um pouco por todo o mundo. Portugal que o diga. São, em suma, a face mais visível de quem manda nos ditos "mercados" que, hoje, não são mais do que um casino à escala planetária. As vítimas, essas, deixaram de ser particulares, empresas ou multinacionais, para serem os próprios países, os próprios Estados Soberanos. A pornografia capitalista no seu esplendor reluzente. Os PIGS que o digam! Isto sim dá dinheiro! Nada melhor do que jogar com as dívidas soberanas dos países mais frágeis, para recuperar das perdas monumentais, colossais diria mesmo, que estiveram por detrás de tragédias financeiras chamadas Lehman Brothers ou AIG, entre outras, ocorridas após a crise do sub-prime nos EUA. Esta máfia, responsável pelo caos nos mercados financeiros em 2008, é, também, um dos grandes responsáveis pela catástrofe que se abateu sobre nós. Estes são os verdadeiros responsáveis pela pressão para a subida dos juros aos empréstimos a Portugal (e aos outros) e que, em suma, nos empurraram para o pedido do malfadado resgate ao FMI e UE, a chamada "ajuda" da Troika. Pois são eles que estão por detrás das chamadas agências de rating. O Lehman Brothers, por exemplo, tinha a classificação de três AAA, o "rating" máximo, quando faliu!!! Alguém teria que pagar as perdas colossais dos “mercados”, e esse alguém fomos nós, os Gregos, os Irlandeses e outros como nós! Claro que tudo isto sob os auspícios da gentalha que (des)governa Portugal e a Europa dos dias de hoje. Bem fizeram os Islandeses que não foram nesta verdadeira burla gigantesca! Ajuda da Troika? Mas que ajuda? Elevam a seu belo-prazer as taxas de juro a Portugal para 7%, para depois o "resgatarem" emprestando-lhe dinheiro a taxas de juro de 4%, enquanto o pedem emprestado a 1%, ao BCE, por exemplo? Ajuda?! Roubo, isso sim! E para que serviu este resgate? Ora, nem mais, para pagar os buracos da banca ladra portuguesa (BPN, BPP...), onde eles próprios iriam perder dinheiro. Assim, não só recuperam à custa do pagamento directo dos portugueses, como ainda por cima os roubam nas taxas de juro usurárias que lhes impõe! A verdadeira golpada! Mas não ficam por aqui, não senhor!

Esta sanguessuga capitalista foi bem caracterizada num artigo de Stephen Foley do jornal “The Independent”, intitulado “What price the new democracy? Goldman Sachs conquersEurope”. Em 2011 publiquei aqui, neste blogue, as minhas suspeitas sobre a ligação desta autêntica “Lula Vampiro” ao governo do PPD-PP, que nos tem ruído os ossos e onde pululam os seus testas-de-ferro em Portugal. Agora, depois de nos terem empobrecido (diria roubado), em especial os funcionários públicos e os seus pensionistas, parece que querem compensar os seus paus-mandados. Sim! O artista em questão, ou melhor, o escritório de advogados onde o artista actua, parece que esteve por detrás de privatizações de empresas lucrativas para o Estado, como a ANA, REN, CTT, etc., etc., e onde a Lula Vampiro parece que ficou com parcela de leão. Empresas lucrativas e viáveis que, além de irem para privados sem escrúpulos, são vendidas ao preço da uva mijona! É um verdadeiro assalto! E os portugueses, coitados, manietados com a informação de pura propaganda imposta por esta gentalha, deixa-se enganar!

Mas o assalto não fica por aqui. Esta gente tem um ódio visceral ao Estado Social e ao Estado de Direito, tal como o vulgar ladrão tem ao Código Penal. Por isso a sua governação à revelia da Constituição! Pudera! Esta gentalha (faltam-me os adjectivos para caracterizar esta trampa toda…), para melhor roubar o povo português, acusa-o de viver acima das suas possibilidades e, por isso, não teria outro remédio que não fosse empobrecer (sorria, pois está a ser roubado!). Com esta mentira descarada mataram dois coelhos com uma só cajadada. Roubaram Portugal sem que os seus cidadãos reagissem (pois a culpa foi do Sócrates e do partido socialista (e por culpa destes também, vá-se lá saber porquê, o povo engoliu bem esta história!)), ao mesmo tempo que minaram o seu parco Estado Social. O recente caos observado no SNS é disso um bom sintoma.

Enquanto o Primeiro-Ministro diz que se vai recandidatar, depois da sua vontade expressa em empobrecer Portugal e os portugueses, o que só poderia acontecer num país das bananas à beira-mar plantado, está na hora de começar a recompensar os lacaios!

02/12/13

Continua o Virulento Ataque dos Saudosistas Salazarentos contra o Sistema de Ensino Superior Público Português!

O que aqui é relatado é de uma gravidade sem precedentes. Com base nestes factos é caso para dizer que as suspeitas de corrupção já atingem organismos que deveriam estar acima de qualquer suspeita. Depois de cerca de 40 anos em que Portugal progrediu exponencialmente no sistema público de educação e de investigação, contribuindo decisivamente para o progresso do país analfabeto e  campónio que o 25 de Abril encontrou, tirando-o de décadas de atraso atávico, face aos seus parceiros europeus, eis que em três anos um governo de putos irresponsáveis o decide atirar novamente para um passado que queríamos todos ver esquecido e enterrado. Se justiça existir, estes traidores terão que ser um dia severamente castigados por todos os males causados a Portugal.

Eis o texto que recebi do sindicato dos professores do ensino superior. Os escritos entre parêntesis são meus:
Mais um embuste do Ministro (do Erro) CratoMais uma machadada no ensino e na investigação.
Prepara hoje a FCT uma cerimónia de pompa e circunstância para a assinatura dos contratos de investigador FCT. Tanto quanto se sabe, cerca de 200 investigadores terão sido contemplados com um contrato de financiamento (acrescento eu que concorreram cerca de 1500 candidatos!).
Aparentemente, tudo estaria bem e o Ministério poderia alardear que prossegue uma política de seleção dos “mais talentosos e promissores cientistas, em todas as áreas científicas e nacionalidades”.  Mas a pressa de mostrar qualquer ação para esconder a política de destruição do sistema de ensino superior público e da investigação revela a política desnorteada deste ministro, que atropela as mais elementares regras de transparência e justiça.
Assim, vejamos:
1) Foi publicada a lista de investigadores, mas sem qualquer ordenação com base nas suas classificações.
2) Não se conhece a composição do júri nacional que fez a pré-seleção que, obviamente, determina os candidatos que foram classificados pela equipa internacional, cuja composição é conhecida.
3) Não são conhecidas as avaliações das candidaturas selecionadas, nem o seu número nem as classificações obtidas por todos os candidatos. Importa lembrar que o regulamento dispunha que seriam aprovadas as candidaturas cuja classificação fosse igual ou superior a 7 valores.
4) Esta cerimónia é realizada sem que se tenha observado o tempo necessário ao exercício do direito de audiência prévia de eventuais candidatos excluídos.
Em resumo, o chamado “ministro do rigor” baseia a sua política em processos pouco transparentes, injustos e não sujeitos ao escrutínio público, o que é particularmente grave, pois trata-se do uso de dinheiros públicos.
Esta cerimónia pública tem como objetivo lançar uma cortina de fumo sobre a política de destruição do ensino superior público e da investigação, escondendo uma estratégia que vai lançar centenas de investigadores no desemprego e destruir a qualidade de ensino e investigação que Portugal alcançou ao fim de muitos anos de esforço dos seus investigadores e professores.
A FENPROF apela a todos os investigadores que nos façam chegar toda a informação relevante sobre os seus concursos individuais e disponibiliza-se para apoiar quem queira interpor ações contra as ilegalidades encontradas.
O Departamento do Ensino Superior e Investigação 

19/11/13

Mega Conluio entre os Partidos Portugueses do Arco da Governação?

Ver o vídeo antes de ler o texto abaixo.

Há coisas que só fazem sentido se unirmos as pontas soltas. A ineficácia da Justiça portuguesa em todos os casos de corrupção em Portugal, não é por acaso. Se às palavras de José Gomes Ferreira (que sabemos tendenciosas, é certo), juntarmos a passividade total e absoluta do actual governo, do Presidente da República, do PS e da Justiça Portuguesa, relativamente à corrupção descarada, ao enriquecimento ilícito, às off shores, e de toda a trampa por detrás das PPPs (das estradas à educação), BPNs e outros que tais, podemos perceber que nada é por acaso. E para pagar toda esta mama monumental, há que roubar funcionários, pensionistas, acabar com o Estado Social, etc., etc., para que esta gentalha toda continue a mamar à grande e à francesa. Que grandes tetas tem a actual República Portuguesa! 



Eis um video que deverá merecer a atenção de todos. Mas com uma grande ressalva. Acontece que há questões aqui levantadas que passam do anterior governo para o actual. E uma coisa que me assalta é a seguinte. A contrapartida da tal assinatura de Cavaco Silva não estará relacionada com a salvação do BPN por parte do PS?! É que para mim os custos maiores instantâneos para o défice público estiveram relacionados com a Banca, em particular com um feudo do PSD na banca chamado BPN. Tudo isto parece estar interligado, daqui resultando que tenhamos fundadas suspeitas sobre um Mega CONLUIO NACIONAL onde estarão envolvidos PSD, CDS, PS e Presidente da República. José Gomes Ferreira está a ver bem, mas não está a ver tudo... É preciso que o povo português acorde. É preciso agir relativamente ao apuramento de tudo, PPPs (das estradas, à educação, todas), BPN, BPP, Ligação Estado / Escritórios de Advogados, Empresas Municipais, etc. TUDO TEM QUE SER INVESTIGADO ATÉ ÁS ÚLTIMAS CONSEQUÊNCIAS!

Mas antes, a introdução de legislação criminal idêntica a grega, no que se refere ao ónus de prova no caso de enriquecimento ilícito. Razões tinham estes políticos para dizer que Portugal não e a Grécia. PELOS VISTOS NÃO E NÃO! Lá os ladrões são presos! Aqui roubam os funcionários públicos, os pensionistas, dão cabo do Estado Social, à revelia da Constituição da República Portuguesa que juraram cumprir. Além disso, é preciso saber aonde páram os 30.000.000 de euros de luvas pagas em Portugal, no tempo do governo de Durão Barroso, no mesmo caso dos submarinos, também referido nesta peça. Concluindo, parece que temos sido governados por ladrões sem escrúpulos há mais de uma década! Se o não fossem, tudo estaria em pratos limpos e clarificado. MAS NÃO ESTÁ! E NÃO HÁ VONTADE POLÍTICA PARA QUE ESTEJA! DAÍ O TERMOS FUNDADAS SUSPEITAS SOBRE O QUE DIZEMOS! Também, sendo uma boa parte da divida publica odiosa, como podemos muito bem perceber de tudo isto, o fim imediato do seu pagamento é, claramente, um Imperativo Nacional.

14/10/13

Liberalismo versus Neoliberalismo - A História Repete-se


Os momentos que vivemos nos dias de hoje não são novos. Infelizmente, tudo é muito parecido ao que se viveu em meados do Século XIX. Naquele tempo viveram-se tempos muito complicados decorrentes da pós-revolução industrial. Os governos liberais da altura, baseados nas ideias de Adam Smith, em tudo fazem lembrar os actuais neoliberais, agora alimentados pelo dinheiro das grandes casas financeiras americanas e mundiais. 

Infelizmente, quando a humanidade encontra novas formas de riqueza, encontra também novas formas de desigualdade social. A revolução industrial acentuou os males produzidos pela desigualdade na distribuição das riquezas, levando à exploração das classes operárias pelos industriais e capitalistas da altura. Esta desigualdade, deve frisar-se muito bem, foi levada a um grau de desumanidade incrível. Eis um excerto de Juan Zamora que o descreve muito bem:

“ Até 1800, aproximadamente, os salários mantiveram-se altos, pois o número que homens aptos a utilizar e manusear as máquinas era diminuto. Mas a partir dessa data, o proletariado industrial começou a aumentar extraordinariamente produzindo-se a queda das diárias, e como consequência indirecta da depressão dos salários, o emprego em grande escala do trabalho de mulheres e de crianças. As jornadas eram de catorze e até de dezasseis horas. Como a diária mal bastava para o mantimento de uma só pessoa, todas aquelas de que se compunha uma família viam-se forçadas, se queria subsistir, a empregar-se nas fábricas. Crianças de seis e sete anos trabalhavam oito, dez e doze horas, e a sua fadiga era tanta que muitas vezes, ao sair das oficinas, não tinham forças para regressar às suas casas e caiam adormecidas sobre a erva aos lados do caminho. Nas proximidades das fábricas, em habitações estreitas e insalubres, apinhava-se uma população famélica, extenuada e andrajosa. Excesso de trabalho, pobre alimentação e trabalho prematuro traziam como inevitável o raquitismo, a tuberculose e uma alta percentagem de mortalidade infantil e juvenil. Perante este estado de coisas, a atitude dos governos limitava-se a deixar fazer, a deixar passar. Nas esferas políticas o liberalismo económico, forte mantenedor da não intervenção do Estado, ainda continuava citando Adam Smith e proclamando que toda a ingerência dos poderes públicos no sistema económico era um atentado aos mais sagrados direitos da humanidade”.
in O Processo Histórico, 1945.

Troque-se a palavra máquinas pela palavra computadores e vejam-se, ou prevejam-se, os acontecimentos históricos. Absolutamente assustador.

Obviamente que todos sabemos as consequências de tudo isto. A teoria Marxista sobre a interpretação económica da história, que continua correcta, quer queiram quer não queiram, bebeu muito nestes acontecimentos. Mais tarde as revoluções operárias, como aconteceu na União Soviética, foram somente consequência de todo um mal-estar criado pelo liberalismo económico do Século XIX. Se hoje lermos este texto, substituindo o termo máquina por computador, podemos ver o que o futuro próximo se apresta para nos trazer. A diferença daquele século para os nossos dias, pós-revolução informática, só peca pela velocidade dos acontecimentos. Hoje tudo é mais rápido. Muito mais rápido. Os fenómenos sociais foram acelerados, tal como os computadores aceleraram a nossa capacidade de fazer contas. E o expoente é elevado. Significo com isto que o empobrecimento mundial que se avizinha será muito acelerado (isso vê-se já, claramente, no nosso país) e as revoluções que necessariamente se seguirão, além de mais repentinas, serão necessariamente mais brutais. Esperamos estar enganados, mas, infelizmente, o método científico que permitiu dar-nos a tecnologia dos nossos dias, também permite deduzir o que aí vem com base nos acontecimentos do passado (se Compte estiver correcto). Só não vê isto, quem não quer, ou não puder.

13/10/13

Lagardadas



Como vivemos num país governado por foras-da-lei, ao serviço de interesses dos mais ricos, de dentro e de fora, não se estranha que a senhora que está à frente dos interesses dos ricos mais ricos (FMI) perca a vergonha e venha zurzir no nosso Tribunal Constitucional. Já vale tudo, pois os portugueses amocham. Este ataque contra o último baluarte dos interesses do povo português tem objectivos claros: os de poderem roubar ainda mais do que têm roubado. Têm roubado o povo português de todas as maneiras e feitios (aliás como os outros povos europeus, cujos Estados têm servido para pagar as perdas colossais dos ditos “mercados” em 2008). Quem é esta desavergonhada que se arroga a vir zurzir no Tribunal maior de um Estado soberano? E que faz o governo deste pobre Estado? Reage? Ou aplaude? Todos sabemos que, infelizmente, aplaude. E até é bem capaz de encomendar estes discursos. Os actuais governantes portugueses são uns perfeitos paus mandados ao serviço dos interesses dos mais ricos em Portugal e, também, de toda a mafia capitalista fora de Portugal.

Os portugueses têm que perceber que o Tribunal Constitucional é o último baluarte na defesa dos seus interesses. É o guardião do Estado de Direito, em Portugal, como o é o da França ou o da Alemanha. Sem Constituição passaríamos a viver na selva. E estamos muito perto disso, pois, como sabemos, a Constituição, infelizmente, tem sido vilipendiada por quem governa Portugal. Até o Presidente da República, que jurou cumpri-la e fazer cumpri-la a tem violado. Se a Sra. Lagarde viesse falar mal do tribunal constitucional de outro país qualquer, como a França dela, por exemplo, com certeza teria que se demitir no dia seguinte. Como se trata de Portugal, um dos PIGS (porcos em inglês), como lhes chamam anedoticamente os nossos "parceiros" ricos europeus, vale tudo, e até parece ser de bom-tom vir ajudar a anedota do primeiro-ministro Passos do Coelho na sua luta desbragada contra a Constituição do seu povo.

Primeiro, criam-nos uma dívida pública enorme, obrigando o Estado Português a salvar uma banca privada depravada, roubando os portugueses até à exaustão. Este governo teve o desplante de, ainda por cima, vir dizer que isso se deveu ao facto do povo português ter andado a viver acima das suas possibilidades! À conta disso, e sob esta desculpa, caem em cima dos Estado Social. Funcionários públicos e pensionistas passaram a ser os bombos da festança neoliberal pornográfica desta cambada de ignorantes!

A salvação da banca privada portuguesa (e, indirectamente, de certos bancos europeus) criou um défice enorme nas contas públicas. Ou seja, foi criada uma dívida odiosa que fez disparar o défice. Os portugueses, que nada tiveram a ver com isso, foram então chamados a pagá-la sem tugirem nem mugirem. Pagam e não bufam! Os empréstimos que depois foram feitos, sob a batuta da Troika, para “salvar” o país da bancarrota, como eles dizem, não foi mais que uma segunda manobra para virem roubar ainda mais o povo português. Empréstimos feitos a Portugal sob a forma de “ajuda” com juros absolutamente usurários. Um roubo duplo, absolutamente escandaloso, orquestrado sob a égide de PSD e companhia.   

Todos estes filhos da mãe, para não lhes chamar outra coisa, não lhes basta andarem a roubar-nos à tripa forra, como ainda, descaradamente, têm a distinta lata de virem zurzir um organismo que tudo tem feito para evitar os sucessivos atropelos à Constituição da República, cometidos pelos actuais governantes portugueses ao serviço daqueles mesmos interesses. Um fungágá de uma bicharada que tresanda e mete nojo.

20/07/13

UHF - Vernáculo?

Vernáculo? Não! Seria vernáculo se os portugueses vivessem num país normal, com governantes normais. Então teríamos aqui uma canção com vernáculo puro e duro de alguém que não gostava de quem o governava. Não é, infelizmente, o caso. A política portuguesa apodreceu há muito tempo. Temos uma oligarquia alicerçada em Salgados, Ulrichs e companhia, que definem as Putibors e a merda da política de Portugal, que mandam e comandam os palhaços (os verdadeiros que me desculpem) que estão no governo, sob o aplauso de muitos conterrâneos nossos, infelizmente, ignorantes. Ignorância doutorada. É disso que o país está cheio. Neste sentido, mais analfabetos do que os 40% de portugueses que o eram efectivamente antes do 25 de Abril. Aqueles eram analfabetos, sim senhor, mas não eram burros nem ignorantes. Agora são letrados, mas burros e ignorantes. Eu tenho vergonha. Foram as mesmíssimas verdades, as mesmíssimas razões gritadas aqui por António Manuel Ribeiro, que me fizeram emigrar. É verdade. Sou emigrante desde o dia 7 de Julho. Confesso. Não aguentei mais. Não foi por falta de emprego, simplesmente não aguentei viver debaixo de tanta estupidez, de tanta miséria cultural. Obrigado ao António por cantar o que me vai na alma. Espero que os nossos compatriotas lhe dêem ouvidos e que corram com a corja de incompetentes que pulula pelo poder político em Portugal. 
   

03/07/13

Fado de Coimbra - Canção da Emigração

Faz tanto sentido. A começar por mim próprio...

É triste vermos um país tão grande como Portugal ser paulatinamente destruído por uma corja de vermes governantes sem nome. Por sua culpa assistimos à emigração da geração mais culta que Portugal alguma vez formou ou formará. Do seu génio beneficiarão decerto outros povos, enquanto Portugal empobrece e regride de forma inimaginável. Tudo em nome de uma casta de privilegiados salazarentos saudosistas que, querendo fazer um ajuste de contas com Abril, comanda a finança e os grandes interesses em Portugal. Hoje, como outrora. Será que um dia esta gentalha pagará de vez pelo mal que causou e continua a causar ao nosso povo. Deus queira!

Acerca do vídeo sobre um FADO DE COIMBRA lindíssimo, cujo tema não poderia ser mais actual, quero dar os parabéns aos intervenientes, aos organizadores do evento e à autora do vídeo. 

A escolha do cenário não poderia ter sido melhor. Nele pontificam dois grandes vultos da ciência e da cultura coimbrãs. Pai e filho. Mário Silva pai, Físico e cientista de renome, discípulo de Madame Curie, que pagou com a prisão e a expulsão da Universidade de Coimbra o facto de nunca ter deixado de expressar as suas opiniões como cientista, democrata e republicano. E Mário Silva seu filho, o pintor de Coimbra por excelência, com vasta obra premiada internacionalmente. O quadro entre os dois é prova disso mesmo. Também o filho visitou, por várias vezes, as masmorras da PIDE, a polícia política do Estado Novo. Bem-hajam e que os portugueses não esqueçam os melhores entre os seus e, sobretudo, não esqueçam os anos de mordaça e de ignorância imposta pelo regime de Salazar.



13/06/13

A Propósito da Justa Luta dos Professores Portugueses


Muito escrevi acerca deste tema aquando do anterior governo de José Sócrates, retendo este texto

A atitude dos últimos governos portugueses para com esta classe, que devia ser acarinhada e valorizada em vez de constantemente afrontada e enxovalhada, já passou todas as marcas. Se há maus professores, aumentem a exigência para a entrada e permanência na carreira. Reformem de forma séria e não brinquem com a educação do povo português. Os professores agradecem. A Escola, os alunos e os portugueses também. Mas não da forma incompetente imposta por este e pelo anterior governo. Assim nunca!

Anteriormente, no tempo de Sócrates, parecia haver da parte de quem governava um claro problema psicológico mal resolvido, que levou a apresentação de medidas absolutamente injustas, como foi o caso dos professores titulares, e muitas outras propostas desenhadas por parte de uma ministra e de secretários de Estado absolutamente incompetentes, alguns com curricula muito duvidosos. Aliás, na minha modesta opinião, foi a afronta aos professores que levou o PS à perda da sua maioria absoluta e, posteriormente, como consequência indirecta, à subida ao poder do governo pavoroso que aí está. À cambada de palhaços mentirosos que nos governa. Gente visceralmente anti-social, para além de incompetente. Gente saudosista de um passado recente que foi, provavelmente, o mais negro da História de Portugal. Um regime fascista que manteve o povo português durante décadas na mais profunda ignorância, para que melhor pudesse subsistir no poder. Formas de poder agora decalcadas, no pior sentido, aliás, onde até os tiques do ditador foram copiados pelo actual primeiro-ministro. Mas pior. Para além deste gravíssimo problema político, sobre a cúpula deste governo recaem as mais profundas suspeitas de corrupção. Seja no caso dos submarinos, com a justiça alemã incompreensivelmente a esconder as teias da corrupção tecidas em Portugal (será por causa do envolvimento do actual Presidente da Comissão Europeia?), até ao caso da Tecniforma gerida pela dupla Passos-Relvas, onde fundos europeus que deviam ter sido usados no desenvolvimento do nosso país foram desviados através de esquemas de acções de formação fantasmas. Enfim. O povo português parece estar entregue ao verdadeiro fungágá da bicharada. 

Mas se o anterior governo era mau, este é péssimo e até inqualificável. O único fito desta gentalha é enfraquecer e destruir o Estado Social pobrezinho que Portugal desenvolveu nas últimas décadas. Esta cruzada, por pura ignorância e preconceito, tem a sua maior prova no ataque sistemático, mesquinho, tacanho e vil contra os seus funcionários. A descriminação a que os funcionários do Estado têm sido sujeitos, face aos do sector privado, é a todos os títulos inqualificável. Neste sentido tem este governo atropelado à tripa forra a Constituição da República, com a anuência e o apoio desenvergonhado do Presidente da República que jurou cumpri-la e fazê-la cumprir. Uma vergonha que terá que ficar gravada, pelos piores motivos, na História do nosso país. Afinal, temos um governo a governar fora-da-lei para deleite de uma direita retrógrada e saudosista. Isto jamais será esquecido e os bois têm que ser chamados pelos nomes. Não ficarão impunes.

Nesta cruzada anti-Estado e anti-social vem novamente o governo atacar os professores enquadrado, não por uma vontade de melhoria no sector, mas para pura e simplesmente desmantelar a Escola Pública e transferir recursos de todos para o sector privado de qualidade duvidosa. E a Escola Pública tem dado muito boa conta do recado, apesar dos parcos recursos, se compararmos os seus feitos com todas as outras actividades, incluindo as relacionadas com as grandes empresas de todos os sectores de actividade, públicos e privados. Tomáramos nós que as maiores empresas portuguesas estivessem a competir no mercado internacional com as suas congéneres, ao nível que o fazem as Universidades e os Centros de Investigação públicos portugueses. Tomáramos nós! Através da sua acção têm nascido muitas empresas inovadoras. Neste contexto, algum crédito tem que ser dado ao anterior governo, ao contrário deste que quer destruir tudo isso. É por isso criminoso que deixemos a escumalha que nos governa continuar nesta senda miserável, destruindo o pouco que com tantos sacrifícios foi construído no pós-25 de Abril. Haja bom-senso.

Dadas as medidas que foram tomadas contra os professores, onde ressalta essa pérola da mobilidade especial, decidiram estes, e muitíssimo bem, declarar greve. Obviamente que, tendo o governo proposto estas medidas no fim do ano (propositadamente?), não restou outra alternativa aos sindicatos senão marcarem greves às avaliações. É evidente que agora só há avaliações, não há aulas! Isto demonstra uma de duas coisas. Ou foi uma afronta propositada ou trata-se, uma vez mais, de uma demonstração de incompetência de quem nos governa. Ou queriam que os professores fizessem as suas greves nas férias em Agosto? Com certeza que o governo ficaria satisfeitíssimo com essa solução. Não tenho dúvidas. Mais, diria eu, estúpidos seriam os professores se não fizessem greves para os dias em que estas possam ter o maior dos impactos. Que eficácia pode ter uma greve se não afectar profundamente a sociedade? Que eficácia poderá ter de outra forma? Se há que lutar por direitos fundamentais, todas as formas de luta são admissíveis. De outra forma seria brincar às greves para gáudio da gentalha que está a roubar o futuro dos professores e, dessa forma também, o dos homens de amanhã. Se há direitos fundamentais desta classe postos em causa, não culpem os professores que lutam por eles, mas condenem veementemente os governantes trogloditas que as impõe, alicerçados em preconceitos políticos muito duvidosos. Diz esta gentalha que a Escola existe somente para os alunos. Muito bem. E pode ela existir sem  professores? Eis a questão. Não me admiro nada que para a Escola Pública desenhada por esta gentalha, qualquer professor possa servir. Eles levam os seus filhotes, egoístas, para as privadas. Resta-nos a satisfação que, a nível superior, não há escola privada de jeito que lhes valha, caso desejem enveredar por Ciências maiores. A não ser em áreas de baixo investimento. Os privados não gostam de usar o seu dinheiro para o bem comum. Esta gentalha parece que não percebe isso.

Mas, depois de toda a trapalhada arranjada por este governo, que viu a comissão arbitral negar os serviços mínimos relativos à greve dos professores marcada para o próximo dia 17 de Junho, vêm a terreiro vociferar que os exames mantêm-se nas datas previstas. A tal teimosia que bem tipifica a sua forma de pensar. Muito bem. Terão a resposta que a sua estupidez merece. Mas, pior. Andam agora a convocar os professores de forma quase individualizada, pasme-se, esquecendo-se que o direito à greve é um direito constitucional inalienável. Mais uma vez a forma caciqueira, salazarenta, parece vir ao de cima. Nada nem ninguém os impede de governar fora-da-lei. Com absoluta arrogância. Nem o arrogante do Sócrates chegou tão longe. BASTA! Há muito que estão ilegais. Esperemos que os professores não se deixem intimidar por estas campanhas e manobras e que lhes dêem a resposta que merecem. Faço votos para que a resposta seja tal que não lhes reste outra alternativa que não seja a do olho da rua!

A Bem de Portugal.

25 de Abril Sempre!

07/06/13

O Ser Lusitano

Somos um povo fantástico.
Há em nós uma força interior incrível.
Uma força capaz de domar o mais feroz dos pavores. Por isso fomos e seremos sempre grandes. Essa força, essa alma, transparece na nossa música, na nossa literatura, na nossa cozinha, nos nossos vinhos, enfim, em tudo o que alimenta o espírito humano. Por isso, também, somos suficientemente desprendidos para que, por vezes, nos deixemos governar por bandos de trogloditas, oportunistas e corruptos. Eles usam e abusam, porque nós, lusitanos, temos mais que pensar, mais que beber, mais que comer, para além do simples materialismo que a sobrevivência nos impõe. E isto, que me desculpem os frios povos do centro e norte da Europa, está para além da sua compreensão. Jamais poderão sentir o que nós, lusitanos, podemos sentir quando ouvimos hinos como o que aqui deixo hoje. Quem não se comove, tem certamente uma pedra no lugar do coração ou, simplesmente, não é lusitano.
Bem-hajas Zeca por tudo o que nos deste!
25 de Abril Sempre!


O PARAÍSO EXISTE - BASARUTO (MOÇAMBIQUE)

Loading...